Artigos

Energia: dicas para reduzir o consumo

O Horário de Verão 2006/2007 terminou em fevereiro/07. Enquanto para alguns tenha sido bem vindo o retorno ao “horário normal” – porque podem acordar mais tarde – para outros poderia ter continuado do jeito que estava – o que proporcionava um happy hour mais prolongado.


Opiniões à parte, de acordo com os dados governamentais, a redução na demanda de energia no período de 112 dias – com a duração do horário de verão – ficou entre 4% e 5% no início da noite, horário em que o sistema elétrico é mais utilizado, estimando-se uma economia de R$ 50 milhões. O horário de verão vigorou desde o dia 5 de Novembro de 2006.

Nas áreas de concessão da CPFL, a economia de energia gerada no período seria suficiente para abastecer uma cidade como Campinas – com 1 milhão de habitantes – por 11 dias, ou uma demanda por 39 dias para Bauru, uma cidade menor, com 310 mil habitantes. A verdade é que a adoção do horário diferenciado nesse período permitiu melhor aproveitamento da luz natural, já que a incidência solar é maior.

Estando em 2006 em sua 33ª. edição, no Brasil, o horário de verão foi adotado pela primeira vez em 1931, com duração de cinco meses. Até 1967 a mudança no horário foi decretada nove vezes. Desde 1985, no entanto, a medida vem sendo adotada sem interrupções, com diferenças apenas nos Estados atingidos e no período de duração.

Para economizar energia, os consumidores fazem a sua parte na medida do possível, afinal de contas, pagar menos é sempre bom para o bolso. Veja algumas dicas para reduzir o consumo.


  • Quando for construir ou reformar, planeje a casa para que ela aproveite ao máximo a luz do sol, com janelas grandes, jardins de inverno, telhas transparentes, clarabóias, etc. Se possível, instale sistema de aquecimento solar.
  • Mantenha desligados da tomada os aparelhos que não são usados o tempo todo e desligue todos se for viajar.
  • Na hora de comprar, verifique o consumo e prefira os aparelhos com Selo Procel de Economia de Energia.
  • Atenda todas as recomendações do fabricante, em especial as relativas à economia de energia e limpeza periódica do aparelho – a sujeira em geral aumenta o consumo.
  • Adquira o hábito de avaliar se é mesmo necessário manter ligado cada  um dos aparelhos que dispõe.


Iluminação

Use lâmpadas adequadas a cada ambiente e prefira as fluorescentes compactas ou tubulares – gastam menos, duram e iluminam mais. Pinte paredes e teto com cores claras, que refletem mais luz, exigindo lâmpadas de menor potência.
Nos circuitos, use interruptores por setores para não ficar tudo ligado quando estiver usando apenas uma área de um ambiente.
Procure usar controladores de nível de iluminação (dimmer) e sensores de presença.
Prefira a iluminação dirigida, utilizando spots, luminárias de mesa e arandelas, para leitura e trabalhos manuais.


Geladeira e Freezer

Instale-os em lugares ventilados, afastados das paredes em pelo menos 10 centímetros, fora do alcance do sol e de fontes de calor como os fogões.
Não use a parte traseira para secar roupas, panos e tênis.
Ajuste a temperatura de acordo com o clima e a quantidade de alimentos.
Antes de abrir, pense em tudo o que precisa colocar ou retirar para ficar o menor tempo possível com a porta aberta.
Não ponha alimentos quentes ou líquidos em vasilhas sem tampa.
Não forre as prateleiras, impedindo a boa circulação do ar frio.
Troque a borracha de vedação da porta sempre que necessário. Para testá-la coloque uma folha de papel entre a porta e o gabinete (corpo da geladeira) e feche. Tente tirar a folha: se sair com facilidade, chegou a hora de trocar as borrachas.
Não desligue à noite para ligar no dia seguinte.


Ferro de passar

Na compra e um novo, prefira os modelos a vapor, com potência menor, que podem ser até 50% mais econômicos.
Evite ligar o ferro com freqüência. Junte a roupa e passe-a toda em apenas um ou dois dias da semana.
Use a temperatura indicada para cada tipo de tecido, procurando aproveitar o ferro em aquecimento ou desaquecimento para passar as peças que exigem temperaturas mais baixas.
Não seque peça de roupa com o ferro.

Chuveiro elétrico
Quando for comprar um novo, prefira aqueles com potências menores, entre 3 mil e 4 mil watts.
Nos dias quentes, use o chuveiro na posição “verão”.
Seja breve – desligue o chuveiro ao se ensaboar ou fazer a barba e evite escovar os dentes durante o banho.
Não utilize o chuveiro para aquecer o ambiente.
Ajude seus filhos menores a tomar banho – não os deixe fazê-lo sozinhos.

Televisor e aparelhos de som
Ao comprar, prefira os modelos que possam ser programados para desligar, evitando que, ao cair no sono, o aparelho fique ligado.


Ar condicionado e ventiladores

Peça a um técnico que defina a potência ideal para o ambiente, evitando comprar aparelho mais potente que o necessário.
Instale o aparelho em local com boa circulação de ar e menor incidência possível de raios solares.
Mantenha portas e janelas bem fechadas.
Regule o termostato de acordo com o clima e não tampe a saída de ar dos aparelhos.
Use cortinas e persianas e plante árvores e arbustos que façam sombra para ajudar a manter o ambiente fresco.


Máquina de lavar roupa e secadora
Lave sempre a carga máxima de roupas indicada pelo fabricante.
Use a quantidade de sabão sugerida pelo fabricante para evitar número maior de enxágües.
Regule corretamente o tempo de funcionamento da secadora e a temperatura ideal para cada tipo de tecido.

Para acabar com a fuga de eletricidade


Para identificar se há fuga de energia, desconecte todos os aparelhos das tomadas e apague todas as luzes. Verifique o relógio: se ele continua girando, há energia escapando.

Chame um eletricista para verificar as conexões (emendas) em todas as caixas de passagem, nos interruptores, tomadas e pontos de luz, circuito por circuito.

Agora é checar os aparelhos. Comece pelos que dão choque. Com tudo desligado, conecte um de cada vez à tomada e observe se o relógio continua girando. Em caso positivo, leve o eletrodoméstico a uma assistência técnica para resolver o problema